Notícias

Empresários participam de curso sobre energia elétrica

pda energia eletrica maio internaEmpresários e representantes de diversos setores da indústria local participaram, nesta terça-feira (3/5), do curso “Como reduzir o custo da energia elétrica?”. A capacitação foi gratuita e de iniciativa das Diretorias de Inteligência Estratégica e Sustentabilidade e de Relações do Trabalho e Apoio Sindical, por meio do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA).

Diferente da maioria dos países, que tem como fonte principal o carvão, aqui no Brasil 75% da energia utilizada vem da água. Ainda assim, de acordo uma pesquisa realizada em 2015 pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), o país tem o maior custo de fornecimento de energia entre mais de 25 países estudados. Enquanto a média mundial é de 257,50 R$/MWH, no Brasil o índice aponta que 1 MWh equivale a R$543,81.

Durante a capacitação, o engenheiro eletricista e consultor da CNI Fabio Dias explicou que os custos de geração, transmissão e distribuição de energia adotados pelo país estão dentro da média mundial. Entretanto, a tarifa total do fornecimento contempla outros acréscimos, e são justamente eles que encarecem a conta do consumidor final.

Além de embutir o valor das perdas técnicas (prejuízos naturais do processo) e das perdas não técnicas (furto de energia), a tarifa total de fornecimento também inclui diversos tributos e encargos como a Reserva Global de Reversão (RGR), a Conta Consumo de Combustível (CCC) e a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Ao somar todos esses valores, o resultado encontrado é desmotivador: tarifas cada vez mais altas e que se refletem no aumento do preço do produto final.

Segundo Fabio Dias, “nos últimos anos, a indústria brasileira sofreu muito com aumentos sucessivos no valor da energia e isso reduziu sensivelmente a competividade em alguns segmentos, principalmente onde se tem o valor da composição final do produto muito dependente do valor da energia”.

Um dos objetivos do curso “Como reduzir o custo da energia elétrica? ” é, exatamente, mostrar aos empresários formas de minimizar os efeitos negativos dessas tarifas, impactando cada vez menos no ambiente de negócios, como afirma o consultor: “Hoje, com os patamares de energia que estão sendo pagos, tudo que o industrial puder fazer para recuperar um pouco dessa competitividade perdida é valido”.

Em busca de novas alternativas, a analista de controle industrial, Vanessa Ribeiro, participou do curso e fez uma comparação entre o que foi apresentado e o que já é praticado na empresa em que trabalha, a Brasal Refrigerantes. Vanessa é uma das responsáveis pela área elétrica e cuida especificamente do setor de eficiência energética.

“O nosso objetivo é sempre produzir mais bebidas, economizando mais energia. Quase tudo o que vimos no curso nós já tínhamos pesquisado em estudos preliminares. Mas isso nos tomou muito tempo e muitos recursos financeiros. Se nós tivéssemos assistido a uma palestra tão alto nível como esta antes dos estudos, estaríamos bem mais à frente no nosso trabalho e também teríamos economizado muito, já que o evento é gratuito”, conta a analista.

Para o diretor de Inteligência Estratégica e Sustentabilidadeda Fibra, Marcontoni Montezuma, além de reduzir custos e facilitar a vida do empresário, esse tipo de ação traz desenvolvimento em outras esferas da sociedade. “Nós entendemos que a Fibra tem esse papel de ensinar e disseminar conhecimentos que possam reduzir custos de todas as maneiras e uma das reduções mais sensíveis, mais sensatas e mais necessárias é o custo de energia que é muito pesado no dia a dia das empresas. A gente tenta demonstrar para os empresários as alternativas tanto de redução de consumo quanto de aumento de consciência. O empresário ganha duplamente, hoje com a redução dos custos de energia e amanhã com a preservação do ambiente”, ressalta Montezuma.

Com aproximadamente quatro horas de duração, “Como reduzir o custo da energia elétrica?” é uma capacitação composta por cinco itens: O custo da energia elétrica no Brasil; Por dentro da conta de energia; Eficiência energética; Reajuste e revisão das tarifas; e A ação da indústria para a competividade.

De acordo com Fabio, a abordagem de todos esses assuntos é justamente para que o empresário se conscientize do importante papel que tem a redução de energia de forma individual, e também conheças as iniciativas que são realizadas de forma coletiva, como lutar por menores tarifas, implantar as ações do mapa estratégico da indústria e expandir as estruturas de transporte e beneficiamento do gás natural. “O que a gente faz no curso é mostrar que é possível trazer de volta parte do que for perdido com algumas ações. Algumas delas dependem exclusivamente das indústrias, mas algumas ações podem ser feitas de forma conjunta entre federações e sindicatos dentro do conceito de associativismo, que é o que a gente estimula no PDA”, ressalta o consultor.

O PDA é um é um instrumento da CNI e das Federações de Indústria para fortalecer a representação sindical empresarial e o associativismo. Desde 2007, diversos projetos vêm sendo desenvolvidos com o intuito de criar um ambiente de negócios favorável à competitividade da Indústria e ao crescimento sustentável do país.

Além de informar e capacitar os empresários, as ações do PDA também abordam temas atuais e relevantes para a rotina de produção de cada setor, como negociações coletivas, legislação empresarial, relações trabalhistas e redução de despesas.

Mais informações acerca do programa podem ser obtidas no telefone: (61) 3362-6115.

Aline Porcina
Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra)

Pesquisa

banner indicadores

epilepsia fibra

banner pro site catalogo